Livro Observando a Natureza

Voltar Página AAB

70
Descrição

Coloque areia molhada até o meio do primeiro e segundo frasco; o terceiro permanece vazio. Sobre o fogão (90 cm de altura) ponha o primeiro, mantenha o segundo e o terceiro frascos a 140 cm e 170 cm de altura, respectivamente. Conecte o primeiro ao terceiro boca a boca, deixando o terceiro frasco sob pressão ambiente através do outro orifício. Conecte o primeiro frasco na base lateral inferior de segundo, portanto areis molhada até ao meio. A base lateral inferior do terceiro frasco é conectada à boca do segundo, que permanece aberta. As conexões devem ser feitas por mangueiras resistentes a altas temperaturas e pressões.

Comparação

• Primeiro frasco: assoalho do oceano e camada interna da crosta terrestre (CICT).
• Segundo frasco: continente
• Terceiro frasco: atmosfera.

Acenda o fogo sob o primeiro frasco, que atinge a temperatura de ebulição da água e permanece constante. A água acumula na superfície e começa a evaporar para o segundo e terceiro frascos. No segundo frasco, o vapor molhará a terra do interior para a superfície e no terceiro frasco a água condensa e precipita par o segundo, assim como as chuvas irrigam os continentes. Desligando o fogo, a água retoma para o primeiro frasco.

71
Explicação:

O Ciclo Hidrológico Terrestre inicia nos oceanos através da evaporação das águas, que aproveitam o calor interno da Terra e água liberados pelo assoalho dos oceanos e energia solar, armazenando quantidade de energia suficiente para gerar o vapor d’água, que vai subir para a atmosfera e deslocar das regiões quentes (zonas de altas pressões) para regiões frias (zonas de baixas pressões), formando as correntes marítimas responsáveis pelas chuvas nos continentes. Grande parte da água evaporada resfria, condensa e precipita nos próprios oceanos, chegando pequena quantidade em terra firme. A água que condensa e precipita sobre a terra gera as chuvas e as neves, que se infiltram no solo, descendo até os lençóis d’água subterrâneos. A energia interna da Terra gera pressão suficiente par impedir a descida da água em direção ao centro do planeta, retornando à superfície na forma de fontes. As bacias fluviais coletam as águas das chuvas, das neves e das fontes, formando os rios que deságuam nos mares e destes aos oceanos, fechando-se o ciclo.
O gás metano, exalado pela Terra, principalmente em regiões florestais e pantanosas, deve fornecer o princípio ativo para desencadear as reações químicas nas nuvens, provocando explosões, e consequentemente chuvas, tempestades e tornados.

 

72
Vocabulário

Acreção – Crescimento, acréscimo por justaposição

Cratons – Blocos rochosos antigos de aproximadamente mil quilômetros de extensão e de idades que variam de três milhões de anos a poucas dezenas de milhões, em torno dos quais rodeiam cinturões de rochas continentais mais jovens.

Pangéia – Continente gigantesco formado por todos os blocos continentais, que existiu há 200 milhões de anos.

Pantalassa – oceano único que existiu na época de Pangéia.

Subducção – fenômeno natural que ocorreu entre a borda continental e o assoalho do oceano, consistindo no mergulho do assoalho, sob a crosta do continente, retomando ao manto, onde é derretido.

Plumas – grandes bolhas que armazenam imensa quantidade de calor, originária do manto, sendo capazes de quebrar um continente.

Placas Tectônicas – fragmentos da crosta terrestre sobre os quais se formaram os continentes e os oceanos.

 
73
Referências

Atlas do Extraordinário, Fenômenos Naturais – v. I, II, III e IV.

Atlas Geográfico Mundial publicado pela Folha de São Paulo – 1994.

B. Geoci. PETROBRÁS, Rio de Janeiro, n. 8, v. 1, p. 47 – 55, jan./mar. 1994.

Couper, Healter, Henbest, Nigel. Atlas do Espaço. Ilustrado por Luciano de Corbella, 1994.

Deriva Continental y Tectônica de Placas. 2. Ed. Madrid, março de 1976.

GANER, Anita. Atlas dos Oceanos. Ilustrado por Luciano Corbella, 1994.

MACHADO, Frederico. Elementos de Vulcanologia Lisbo, 1965.

_____. Card’nale Branco, Fábio. A Deriva dos Continentes. 8.ed. Editora Moderna. 1996b.

BRANCO, Samuel Murgei. (1996ª) Água, origem, uso e preservação.6. Ed. National Geographics, v. 189, n.1, jan., 1996.

Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural. 1996.

 

74

PINTO, Nelson de Souza, ET AL. Hidrologia Básica de Brasil, 1976.

Revista Super Interessante, ano 10, n.1, jan. 1996.

Revista Super Interessante, ano 10, n.2, fev. 1996.

Revista Super Interessante, ano 10, n.8, agos. 1996.

SANTOS, Aparecido Gomes dos; BENTO, Antônio Henriques Como as águas se mantêm sobre a superfície terrestre, baseado na Teoria do Calor Interno do Planeta Terra. Fev. 1996.

Gazeta de Rio Preto da Eva – Aberto Segadilha – Jornal mensal do Município de Rio Preto da Eva – Ano II – Janeiro de 2006.

Lista das Cotas de Nível do Rio Negro no Porto de Manaus de 1902 a 2006, fornecida pelo engenheiro Valderino Pereira da Silva.

Rádio Difusora do Amazonas.

Gazeta on line – minuto a minuto – Vitória – ES – 18/03/2006.

Folha on line – Mundo – SP – 22/05/2003.

 
 
© 2010- Little Wolf, e-mail: ivanleandro73@gmail.com